Espermograma normal e Espermograma alterado




Espermograma normal e alterado

O espermatozóide: O espermatozóide e o óvulo são células muito particulares. São as únicas com metade do número de cromossomos (23 cromossomos "X" ou 23 cromossomos "Y"). A união delas (gametas) recomporá o número cromossômico, formando um novo ser com características genéticas resultantes desta mistura (46 cromossomos XX na mulher ou 46 cromossomos XY no homem). É este o grande fenômeno biológico que permite que as pessoas sejam diferentes.

Espermatozóide Humano

Para que o espermatozóide fertilize um óvulo, ele precisa de uma série de propriedades: formato adequado (oval), movimentos direcionados, reconhecer e aderir ao óvulo e, posteriormente, penetrar no seu interior para fertilizá-lo. É fácil entender que o potencial de fertilização depende da integração de todas estas propriedades, que contribuem para sua competência.

Espermatozóide Humano

O sistema reprodutivo masculino produz os espermatozóides nos túbulos seminíferos dentro de cada testículo. A cabeça do espermatozóide contém o DNA que, quando combinado ao DNA do óvulo, cria um novo ser. A extremidade da cabeça do espermatozóide, chamada acrossomo, é o que permite que ele penetre no óvulo. A parte intermediária contém a mitocôndria que provê a energia que a cauda precisa para se mover. A cauda se movimenta de um lado para outro, conduzindo o espermatozóide em direção ao óvulo. O espermatozóide precisa atingir o útero e as trompas de falópio para fecundar o óvulo.

Amostra de sêmen

Espermograma normal

O espermograma é o exame inicial, o mais importante e o principal parâmetro para avaliar a fertilidade masculina, embora não seja o único nem definitivo. Muitos homens o consideram constrangedor, principalmente, quando num laboratório comum de análises clínicas, são convocados em voz alta pelas enfermeiras, na frente de outras pessoas, para se dirigirem à sala de coleta do sêmem. Muitos ainda se sentem indignados por considerarem que este exame estará avaliando a sua sexualidade, masculinidade ou potência sexual: nada a ver. A coleta do material pode ser uma situação embaraçosa que gera ansiedade e nervosismo e, por isso, muitas vezes, pode haver uma repercussão negativa nos resultados. Até porque, mesmo em condições ideais, os resultados podem ser variáveis, hora melhor, hora pior. Por isso nem sempre um único exame garante sua conclusão, sendo necessário à repetição por mais uma ou duas vezes em intervalos de pelo menos 15 dias. É importante que o paciente escolha um laboratório de excelência que siga todas as recomendações internacionais para a análise do sêmen. Caso contrário, o exame poderá ser incompleto e inconclusivo.

Espermatozíde oval normal

 

O ESPERMOGRAMA NORMAL (Nova classificação OMS 2010)

Volume

≥ 1,5 ml

PH (Acidez)

> 7,2

Motilidade

≥ 32% MP (motilidade progressiva) ou
≥ 40% MP+NP(motilidade não progressiva)

Morfologia

≥ 4% ovais normais, segundo Kruger.

Vitalidade

≥ 58%

Concentração

Superior a 15 MILHÕES

Concentração/ml

≥ 15 x 106 /ml

Concentração/ejaculado

≥ 39 x 106 /ml/ejac

O sêmen é obtido por masturbação após um período de abstinência sexual de 2 a 7 dias.

As principais características do sêmen são: concentração, motilidade, morfologia (Kruger), ph, volume, vitalidade, viscosidade. A concentração deve ser igual ou superior a 15 milhões. A motilidade é atualmente classificada em: MP (motilidade progressiva), NP (não progressiva) e imóveis. Os espermatozoides com motilidade móvel progressiva são considerados os melhores por terem a maior chance de fertilizar o óvulo e devem estar presente na proporção ³ 32%  da concentração . Os espermatozoides com motilidade não progressiva têm menor chance de fertilização. São considerados “espermatozoides móveis totais”, o somatório MP + NP, que devem totalizar maior ou igual a 40%. Os espermatozoides são incapazes de fertilizar o óvulo..(figura4)

O Grupo A (progressivo linear rápido) é considerado o melhor por ter a maior chance de fertilizar o óvulo e deve estar presente na proporção de 25% da concentração total. O Grupo B (progressivo linear lento ou não linear) devem ser maior ou igual a 32%. O Grupo C (motilidade não progressiva) tem menor chance de fertilização, mas, ainda assim, tem chance. São considerados "espermatozóides móveis totais" o somatório dos grupos A, B e C ( A+B+C) que devem totalizar maior ou igual a 40%. O Grupo D é totalmente imóvel e incapaz de fertilizar o óvulo.

Pelos critérios da OMS (Organização Mundial da Saúde) a morfologia de Kruger (Figura 3) deve ser igual ou maior a 4%.

Os espermatozóides com a cabeça formato oval e com a parte intermediária e cauda perfeitas, são os que têm maior chance de fertilização. (figura 5).

espermatozoides espermatozoides espermatozoides
Espermatozóide oval normal dimensão 5.0 x 3.5 um Cabeça muito grande Cabeça arredondada
espermatozoides espermatozoides espermatozoides
Cabeça de formato alterado Cabeça irregular Espermatozóide com cabeça mais fina (alongada)
espermatozoides espermatozoides espermatozoides
Espermatzóide com forma de fita Espermatzóide com formato de pêra Região acrossômica grande
espermatozoides espermatozoides espermatozoides
Região acrossômica muito pequena Presença de vacúolos Região acrossômica pequena

Espermograma alterado

São classificados de acordo com o tipo de alteração:

Azoospermia: É ausência completa de espermatozóides na ejaculação, após a centrifugação. Na maioria das vezes este problema pode ser resolvido pelas Técnicas de Reprodução Assistida. Pode ser em decorrência de insuficiência testicular, chamada azoospermia não obstrutivas: (os espermatozóides não são produzidos) ou por obstrução , chamada azoospermia obstrutiva (os espermatozóides são produzidas mais existe uma obstrução que impede a saída no material ejaculado).

As causas não obstrutivas são os processos infecciosos, DST´s, caxumba, irradiação, drogas, problemas hormonais, alterações anatômicas e doenças congênitas como a microdeleção do cromossomo Y e a Síndrome de Klinenfelter.

As causas obstrutivas mais comuns são a ausência do ducto deferente (uma das causas mais comuns é a doença genética que tem o nome de Fibrose Cística), a vasectomia, as infecções, e os traumatismos. Todos podem obstruir o trajeto.

Os tratamentos para estes problemas estão descritos em detalhes no decorrer deste site.

Oligospermia: Corresponde a diminuição do número de espermatozóides. Pode ser discreta, moderada ou severa dependendo da proporção desta redução. As causas podem ser hormonais, efeitos colaterais de medicamentos, fatores ambientais, infecções (DST´s), hábitos inadequados varicocele e outros.

Os tratamentos para estes problemas estão descritos em detalhes no decorrer deste site.

Astenospermia: É quando a motilidade dos espermatozóides está diminuída e, segundo alguns autores, é a alteração mais freqüente no espermograma. As causas mais comuns são as infecções, imunológicas, varicocele, tabagismo, alcoolismo, medicamentos, problemas psíquicos, endócrinos, estresse e doenças profissionais.

Os tratamentos para estes problemas estão descritos em detalhes no decorrer deste site.

Oligosastenospermia: É a diminuição do número e da motilidade dos espermatozóides. As causas são as mesmas citadas nos dois itens anteriores.

Os tratamentos para estes problemas estão descritos em detalhes no decorrer deste site.

Teratospermia: são alterações do formato do espermatozóide. Os principais responsáveis por estas alterações são: as inflamações, algumas drogas, origem congênita e varicocele. Os espermatozóides capazes de fertilização devem ter formato perfeito.

Os tratamentos para estes problemas estão descritos em detalhes no decorrer deste site.

NOMENCLATURA

NOME CIENTÍFICO

QUANTIDADE DE ESPERMATOZÓIDES

Azoospermia:

ausência de espermatozóide

Oligospermia:

abaixo de 15 milhões/ml

Oligospermia Severa:

abaixo de 5 milhões/ml

Polispermia:

acima de 250 milhões/ml

Necrospermia:

espermatozóides mortos acima de 30%

Aspermia:

ausência de ejaculado.

Astenozoospermia:

motilidade (Progressivos) ≤ 32% ou (Progressivos ou Não Progressivos) ≤ 40%.  

Criptozoospermia:

presença de espermatozóides após centrifugação  

Hipospermia:

volume menor que 1,5mL  

Leucocitospermia:

> 1,0x 106/mL  de leucócitos no sêmen

Necrozoospermia:

vitalidade < 58%

Normozoospermia:

parâmetros espermáticos normais.

Oligozoospermia:

concentração de espermatozóides
< 15,0x106/mL 

Teratozoospermia:

< 4% (KRUGER).≤

Infecções: A infecção genital pode ser um fator importante de infertilidade masculina e podem ser identificadas no espermograma . As bactérias mais freqüentes, que podem comprometer a fertilidade do homem, são: Escherichia coli, os Micoplasmas, em especial o Ureaplasma urealyticum, e a Chlamydia trachomatis (DSTs). O diagnóstico pode ser complementado com outros exames laboratoriais. Em alguns casos, a ultra-sonografia da próstata, transretal ou pélvica, pode auxiliar no diagnóstico de infecção crônica da próstata e vesículas seminais.

Comentário: Relembramos aqui que, normalmente, para a conclusão do diagnóstico através do espermograma, é necessário que este exame seja repetido por três vezes no intervalo de 15 dias entre eles. O homem deve ser tratado sempre que for possível. Isso é necessário para que alcancemos a taxa máxima de sucesso na obtenção da gravidez.

Processamento Seminal / Capacitação Espermática: É uma complementação do espermograma quando o resultado do exame for discretamente abaixo do normal. Este processo separa os espermatozóides de melhor motilidade. Ao final deste processo, dependendo da concentração final dos espermatozódes recuperados poderá ser definida a melhor opção de tratamento para o casal: inseminação artificial intra-uterina ou fertilização in vitro.

Sala de coleta: Com o objetivo de colaborar com os homens que consideram a coleta de sêmen um "momento difícil" que exige ao mesmo tempo concentração e abstração, muitas clínicas de Reprodução Humana possuem uma sala especial para este fim. Ela deve estar separada das outras e longe de tumultos, para evitar situações constrangedoras. O IPGO possui uma sala específica, isolada e confortável para este fim. Tem decoração "erotizada" com revistas e DVDs adequados, tornando o ambiente propício para este procedimento.

Sala de coleta

Sala de coleta

Sala de coleta de sêmen do IPGO - Decoração erotizada

Coleta em casa

Alguns laboratórios aceitam que a amostra seja colhida em casa desde que sejam obedecidos às condições ideais de esterilização (o IPGO aceita) e o tempo de chegada ao laboratório não seja superior a 60 minutos.

Voltar ao topo

As informações contidas neste site têm caráter informativo e educacional e, de nenhuma forma devem ser utilizadas para auto-diagnóstico, auto-tratamento e auto-medicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.